USO DE TERAPIAS BIOFÍSICAS FREQUENCIAIS EM FITOFOTODERMATOSE

USO DE TERAPIAS BIOFÍSICAS FREQUENCIAIS EM FITOFOTODERMATOSE

RESUMO

São comuns as lesões de pele conhecidas por fitofotodermatoses. As lesões acometem derme e epiderme e são doloridas. Os tratamentos convencionais preveem o uso de fotorreceptores de uso tópico, como: cremes de corticoides associados ou não a antibióticos, por períodos que chegam a 60 dias, podendo ainda deixar manchas na pele. A Terapia Quântica atua a nível vibracional, equilibrando a frequência em desequilíbrio e promovendo uma sensação de harmonia e bem-estar. O presente caso trata da utilização dessa técnica em queimadura da pele de terceiro grau (fitofotodermatose), provocada por contato com limão e sal e exposição ao sol, em sua manifestação clássica. A paciente buscou atendimento médico em pronto atendimento onde foi indicado inicialmente medicamento alopático (Nebacetin®). Na unidade, lhe foi informado que o tratamento poderia ser longo e que havia risco de sequelas de manchas. Passados onze dias do início do tratamento convencional, a paciente estando descontente, buscou a terapia vibracional frequencial, passando a se utilizar somente desta a partir de então. Como resultado, observou-se a cicatrização completa da lesão após 32 dias de uso consecutivo de gel floral quântico.

INTRODUÇÃO

As furocumarinas (metoxipsoralenos) são substâncias abundantemente presentes nas cascas de frutas cítricas, como a laranja (Citrus sinensis), o limão-galego (Citrus limmonia), o limão Taiti (Citrus medica), a tangerina ou mexerica (Citrus reticulata ou Citrus nobilis). Essas substâncias, por estimulação da luz, particularmente, a luz ultravioleta A (320nm a 400nm), produzem reações fototóxicas na pele conhecidas como fitofotodermatoses. As lesões causadas são caracterizadas por queimaduras de primeiro e segundo grau, que acometem a epiderme e a derme. São extremamente dolorosas e há presença de bolhas com exsudato seroso. As manchas podem levar até 60 dias para desaparecer, podendo recidivar com nova exposição ao sol. Na fase aguda, principalmente quando há bolhas, recomenda-se o uso de fotorreceptores de uso tópico, como: cremes de corticoides associados ou não a antibióticos.

Entretanto, atualmente, parte da comunidade científica entende que a saúde e a doença começam no átomo, na energia. Terapias diversas e integrativas, incluindo a Terapia Vibracional Quântica, que abordam o indivíduo como um todo, já estão sendo amplamente utilizadas mundialmente. As essências vibracionais carreadoras de frequências não são medicamentos químicos, pois não possuem princípios ativos, e promovem o reequilíbrio físico, mental e comportamental do indivíduo. Nesse contexto, a terapia com essências florais é, talvez, a mais revolucionária forma das terapias atuais.

A técnica complementar quântica, que utiliza frequenciais florais, foi utilizada em paciente com queimaduras de terceiro grau, causadas por exposição a agentes naturais: limão, sal e sol (fitofotodermatoses), com acometimento da derme e epiderme das mãos e antebraço esquerdo. Desta forma, o objetivo deste trabalho foi avaliar a eficácia das terapias biofísicas frequenciais em paciente com fitofotodermatose.

MATERIAL E MÉTODOS

Este estudo relata o caso de paciente submetida à terapia quântica no período de 19 de Fevereiro de 2016 a 21 de Março de 2016.

A terapia vibracional foi utilizada na paciente C. M. T., 41 anos, solteira, contadora. Esta entrou em contato relatando que havia queimado as mãos em 08 de Fevereiro de 2016 e parte do braço esquerdo com limão e sal em exposição ao sol. Relatou também que procurou atendimento médico na mesma data, pela primeira vez, após o inicio das lesões, já com muitas dores, e imediatamente iniciou o tratamento indicado: Nebacetin® (Sulfato de Neomicina 5 mg + Bacitracina 250 U.I.). Dois dias após o início do tratamento alopático, a mão e o braço da paciente apresentavam muitas bolhas. Vendo pouca evolução, em 19 de Fevereiro a paciente buscou uma terapia complementar em consultório particular. Foi indicado Oxyflower® gel, diretamente no ferimento, duas vezes ao dia (manhã e noite). Nesse momento, a paciente, por conta própria e assumindo os riscos, resolveu interromper o tratamento alopático.

Em 04 de Março a paciente retornou referindo a redução e foi feito o registro fotográfico. O acompanhamento da evolução se estendeu até 21 de Março, quando se fez o último registro e a paciente teve alta, após receber orientações.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Em 08 de Fevereiro de 2016 a paciente iniciou medicação alopática. O profissional de saúde que a atendeu disse que o restabelecimento seria demorado e que as manchas da queimadura talvez demorassem anos para desaparecer. Descontente com os resultados e, ainda, com dores, onze dias após o início do tratamento, a paciente buscou terapia complementar (Figura 1).


Figura 1 – Mão direita e mão e antebraço esquerdos em 19 de Fevereiro de 2016: Início da terapia frequencial  quântica.

Em consultóri particular a paciente se submeteu à terapia vibracional frequencial. Tais essências vibracionais agem levando informações através de frequências, contribuindo para o equilíbrio comportamental na defesa do terreno propício, inibindo assim o afloramento do arquétipo patológico. Quinze dias após o inicio da terapia com a essência vibracional, embora ainda vermelho e mostrando sensibilidade, a recuperação estava se estabelecendo (Figura 2) e a paciente foi orientada a dar continuidade com a mesma conduta.



Figura 2 – Mão direita e mão e braço esquerdos em 04 de Março: 15 dias após início da terapia frequencial quântica.

Trinta e dois dias após o início do uso da essência vibracional, a paciente retornou. As mãos e o braço se apresentavam sem sinais de inflamação e manchas (Figura 3). Verificou-se a influência dessa terapia em equilibrar o processo inflamatório em curso e, como consequência, a dor que o acompanha.



Figura 3 – Mão direita e mão e braço esquerdos em 21 de Março: 32 dias de terapia frequencial quântica.

CONCLUSÃO

Através do presente estudo conclui-se que é válido e seguro o uso das essências vibracionais florais. Nesse caso, houve a harmonização e o equilíbrio em fitofotodermatoses.

REFERÊNCIAS
ARNT, R., ARNT, P. R. Vade Mecum das Essências Vibracionais - Um Guia Prático para o uso dos Moduladores e Indutores Frequenciais. 1 ed. Paraná, 2013.

ARNT, R. Z. Relato de caso: tratamentos por meios biofísicos de lesão causada por queimadura química com Hidro- ozonioterapia e Essências Vibracionais. Revista de Bioquímica Médica aplicada à prática ortomolecular, v. XX, n.1, 2011.

GARCIA, C. D.; SOUZA, E. R. P. de; CAROLINO, J. E. Relato de experiência: película de celulose no tratamento de fitodermatose. In: I SPEED, 2011, São Paulo. Anais... São Paulo: SOBENDE, 2011.

GOSWAMI, A. O Médico Quântico. Trad. Euclides Luiz Calloni, Cleusa Margô Wosgrau. 2. ed. São Paulo: Cultrix, 2004.

LIPTON, B. H. A Biologia da Crença. São Paulo: Butterfly, 2007.

MATTOS, V. Medicina Quântica. 2. ed. São Paulo: Victor Mattos, 2010.

REIS, V. M. S. dos. Dermatoses provocadas por plantas

(fitodermatoses). An Bras Dermatol., v. 85, n. 4, p. 479- 489, 2010.